“Eu tenho refletido muito nesses dias tentando procurar um sentido porque deve haver um sentido em toda esta situação absurda que somos forçados a viver. Imaginei se o vírus pudesse falar. Imaginei o que nos diria através de uma carta, se pudesse fazê-lo. Estas são as palavras que consegui colocar num papel:

`Olá, sou o covid-19. Muitos de vocês me conhecerão simplesmente como coronavírus. Sou um vírus. Desculpem-me pela chegada repentina mas não tenho que me informar quando chego ou de que forma. Forço-me a apresentar-me porque estou aqui.

Bem, digamos que estou aqui porque estava cansado de todos ver regredir em vez de evoluir. Estava cansado de vos ver arruinar continuamente com as próprias mãos. Eu estava cansado de ver como tratam o planeta. Estava cansado de como você se relacionam.

Eu estava cansado dos abusos, da violência, das guerras, dos conflitos interpessoais, dos preconceitos. Eu estava cansado da vossa inveja social, da vossa ganância, da vossa hipocrisia, do vosso egoísmo. Eu estava cansado do pouco tempo que dedicam a vocês mesmos, às vossas famílias. Eu estava cansado da pouca atenção que vocês dão aos vossos filhos.

Eu estava cansado da superficialidade. Eu estava cansado da importância que vocês costumam dar as coisas supérfluas à custa de coisas essenciais. Eu estava cansado da busca contínua obsessiva do vestido mais bonito, o mais recente modelo de smatphone, do carro mais bonito apenas para mostrar.

Eu estava cansado das vossas traições, estava cansado das vossas informações erradas, estava cansado do pouco tempo que vocês passam a comunicar, estava cansado das queixas constantes quando nada fazem para melhorar as vossas vidas.

Eu estava cansado de vos ver discutir por razões fúteis, estava cansado das brigas constantes e daqueles que governam e das escolhas erradas frequentemente feitas por aqueles que vos representam. Eu estava cansado de ver pessoas a matar e insultar por um jogo de futebol.

Eu sei. Estou a ser duro com vocês, talvez demais, mas não olho a ninguém. Sou um vírus. Minha ação custará vidas, mas quero que entendam de uma vez por todas que precisam mudar de rumo, para o vosso próprio bem.

A mensagem que quero passar é simples. Queria destacar todos os limites da sociedade em que vocês vivem, para poder eliminá-los. Queria parar tudo de propósito para que entendam que a única coisa importante para qual terão que direcionar todas as suas energias a partir de agora é simplesmente uma: a VIDA. A vossa e dos vossos filhos. E é o que é realmente necessário proteger, cuidar e compartilhar.

Eu queria-vos trancados e isolados o máximo tempo possível nas casas, longe dos vossos pais, avós, filhos ou netos para que entendam o quão importante é um abraço, o contacto humano, o diálogo, o aperto de mão, uma noite com amigos, uma caminhada pelo centro da cidade, um jantar em algum restaurante ou uma corrida no parque ao ar livre.

Vocês são todos iguais. Não façam distinção entre vocês. Eu mostrei-vos que as distâncias não existem. Viajei quilómetros e quilómetros num curto espaço de tempo e sem vocês terem notado. Estou de passagem, mas os sentimentos de proximidade e colaboração que criei entre vocês em pouco tempo, terão que durar para sempre.

Vivam a vida da maneira mais simples possível. Caminhem devagar e respirem profundamente. Façam o bem porque o bem voltará e vida terá mais interesse. Desfrutem da natureza. Quando vocês festejarem eu terei acabado de ir embora, mas lembrem-se: não sejam pessoas melhores apenas na minha presença. Adeus!´”

Imagem de Capa: Fusion Medical Animation no Unsplash

 

Márcia Lourenço
Sou Nutricionista e pós-graduada em fisiologia, bioquímica e nutrição do esporte. Apaixonada por nutrição e por comida que nutra o corpo e alma, sem terrorismos! O intuito aqui é orientá-los nas melhores escolhas, publicando dicas alimentares, receitas, curiosidades e estilo de vida. Sintam-se bem comendo bem! 🍏

COMENTÁRIOS