Muita gente já percebeu que quando está com fome tem seu humor alterado, e que ir ao supermercado nessas condições não é uma boa ideia. A tendência será de acabar por comprar alimentos hipercalóricos e pouco daquilo que havia sido planejado, levando à escolhas erradas, sem pensar.

Mas o que um estudo realizado na Universidade de Dundee descobriu é que em estado de fome as más decisões não se limitam apenas às escolhas alimentares, mas a qualquer tomada de decisão, indicando que não devemos decidir nada de estômago vazio.

Os nossos sistemas se alteram para equilibrar constantemente nosso organismo, seja em estados psicológicos ou fisiológicos indesejáveis, como os causados pela fome.

Há evidências de que a sensação de fome nos faça buscar recompensas alimentares, influenciando as escolhas em direção a recompensas rápidas e supostamente eficientes.

Esta investigação teve como objetivo caracterizar o efeito da privação de alimentos com a participação de 50 pessoas, 28 eram mulheres e 22 homens com idade média de 21-22 anos.

Os participantes ficaram 10 horas sem se alimentar para serem testados e os procedimento dos testes foi com medição dos níveis de glicose no sangue e preenchimento de um questionário sobre a fome sentida e uma tarefa de escolha, utilizado para medir os desejos dependentes do estado.

As perguntas eram focadas em uma das características: um desejo intenso de comer; uma antecipação de reforço positivo que pode resultar de comer; antecipação de alívio de estados e sentimentos negativos como resultado de comer; preocupação obsessiva com comida ou falta de controle sobre a alimentação; e desejo como um estado psicológico.

O resultado foi muito simples: Nunca mais tome decisões com fome!

Estar em jejum influencia negativamente a tomada de decisões, diferente de quando estamos bem alimentados. A pesquisa revelou que o jejum prejudicou as decisão dos participantes, tornando-os impacientes e mais suscetíveis a aceitar uma recompensa menos vantajosa, mas que fossem entregues mais rápido, do que uma recompensa mais vantajosa, mas que não fosse imediata.

A fome levou as pessoas a fazerem escolhas piores, e não foi só relacionado a necessidade de se alimentar rapidamente, pois também aconteceu com outras situações não relacionadas à comida, como comprar coisas desnessárias ou de qualidade inferior, por ter a oportunidade de tê-las mais brevemente.

As mais diversas decisões fazem parte do nosso dia a dia e quando tiver que decidir alguma coisa, cuidado ao fazê-las com fome. Em relação a alimentação, principalmente as pessoas que desejam emagrecer, é comum partirem para estratégias que incluam jejum, pular algumas refeições, mesmo sentindo fome.

O que foi indicado nesse estudo é que o resultado pode ser ainda pior: maior desejo por comida excessivamente calóricas de imediato, podendo até mesmo gerar uma compulsão alimentar. E é claro, não irá perder nenhum peso.

Imagem de Capa: Andrea Piacquadio no Pexels

OUTRAS LEITURAS


Márcia Lourenço
Sou Nutricionista e pós-graduada em fisiologia, bioquímica e nutrição do esporte. Apaixonada por nutrição e por comida que nutra o corpo e alma, sem terrorismos! O intuito aqui é orientá-los nas melhores escolhas, publicando dicas alimentares, receitas, curiosidades e estilo de vida. Sintam-se bem comendo bem! 🍏

COMENTÁRIOS